Blog do Walison - Em Tempo Real

Agentes do ICMbio são ameaçados e atacados durante campanha de conscientização ambiental nos Lençóis Maranhenses

Agentes do ICMbio são ameaçados e atacados durante campanha de conscientização ambiental, nos Lençóis Maranhenses — Foto: Reprodução/TV Mirante

Segundo os agentes, pessoas que estavam pilotando os UTV’ s atrapalharam o serviço de fiscalização com ameaças e ataques aos servidores, chegando a tentar atropelar um agente.

Durante uma campanha de conscientização ambiental no Parque dos Lençóis Maranhenses, três agentes do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) afirmam terem sido ameaçados e atacados por condutores de UTV’s em uma abordagem realizada na tarde desse domingo (19).

O caso aconteceu no povoado Cantinho, na cidade de Barreirinhas, a 257 km de São Luís. De acordo com os agentes, eles estavam fazendo uma campanha de conscientização na região, quando foram informados desse grupo que estaria na região do Lençóis Maranhenses.

Segundo eles, as pessoas que estavam pilotando os veículos atrapalharam o serviço de fiscalização com ameaças e ataques aos servidores, chegando a tentar atropelar um agente.

Após o caso, os agentes dizem terem registrado um boletim de ocorrência contra os condutores, mas que a polícia estava prestando outro serviço no momento. Até o momento, ninguém foi preso.

Acidentes nos Lençóis

 

Só em 2023, cerca de seis acidentes foram registrados na Região dos Lençóis Maranhenses. No dia 6 de junho, um carro que transportava um grupo de turistas capotou e caiu em uma das dunas em Santo Amaro do Maranhão. Ao todo, nove pessoas estavam no veículo, dentre elas, oito tiveram ferimentos leves e uma morreu.

A vítima foi identificada como Lita Lousan do Nascimento Poubel, de 59 anos. Ela faleceu em 1º de julho de 2023, pouco menos de um mês da data do acidente, após ter ficado internada em um hospital particular de São Luís. Lita teve múltiplas lesões causadas pelo acidente nos Lençóis Maranhenses.

Acidente deixa turistas feridos nos Lençóis Maranhenses — Foto: Divulgação

Menos de um mês depois, em 5 de julho, um outro veículo saiu das dunas e foi parar dentro da água. Ele não era autorizado a circular na região. Ninguém ficou ferido.

No dia 20 de julho, um veículo, também sem credencial de acesso, que transportava turistas em uma excursão entre o vilarejo de Atins e a cidade de Santo Amaro, derrapou e caiu em uma lagoa funda, com cerca de 5 metros de profundidade. Os passageiros, entre adultos e crianças, conseguiram sair com vida do local.

Concurso da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS) tem mais de 600 vagas imediatas e 4 mil de cadastro de reserva

Fundação Municipal de Saúde de Teresina — Foto: Divulgação

Certame oferece vagas para áreas médica, assistencial e administrativa, com preenchimento imediato e salários que variam entre R$ 796,70 a R$ 9.512,56. Inicialmente, o prazo encerraria em 20 de maio; contudo, a partir de uma solicitação da FMS, a banca prorrogou as inscrições até 17 de junho.

O primeiro concurso público para a Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina em 13 anos foi lançado pela prefeitura da capital em 9 de abril. Estão sendo ofertadas mais de 643 vagas de preenchimento imediato e mais de 4 mil de cadastro de reserva em diversas especialidades, com salários que variam entre R$ 796,70 a R$ 9.512,56.

Prorrogação: As inscrições começaram em 9 de abril no site do Idecan. Inicialmente, o prazo encerraria em 20 de maio; contudo, a partir de uma solicitação da FMS, a banca prorrogou as inscrições até 17 de junho.

O valor das inscrições será de R$ 100,00 para cargos de nível médio, R$ 150,00 para cargos de nível superior, e R$ 300,00 para os cargos da área médica.

O concurso está dividido em dois editais: um para a área assistencial em saúde (com 614 vagas imediatas e 3.635 para cadastro de reserva) e outro para o setor administrativo (com 29 vagas imediatas e 366 de cadastro de reserva). Veja as áreas contempladas abaixo.

As provas estão marcadas para os dias 20 de julho (sábado), para os cargos administrativos, e 21 de julho (domingo), para os cargos assistenciais. Anteriormente, as provas para as área administrativa e assistencial estavam marcadas para 29 de junho e 7 de julho.

O certame será dividido em duas etapas: conhecimentos gerais e específicos em prova objetiva e dissertativa, além da análise de títulos para nível superior. Para cargos de nível médio e técnico, haverá apenas uma etapa, com prova escrita objetiva e redação.

Outras cinco alterações foram feitas, em relação ao edital da área administrativa, e nove no edital da área assistencial. Confira os aditivos no site do Instituto de Desenvolvimento Educacional, Cultural e Assistencial Nacional (Idecan).

Áreas contempladas

 

Dentre as áreas contempladas estão as de Médico (várias especialidades), técnicos em saúde (várias especialidades como enfermagem, patologia clínica, farmácia, radiologia etc), analista clínico, assistente social, biólogo, educado físico, enfermeiro, farmacêutico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, nutricionista, psicólogo, tecnólogo em radiologia, terapeuta ocupacional, veterinário e odontólogo.

Além de artesão, auxiliar de administração, condutor de ambulância, técnico em geoprocessamento, técnico em gestão ambiental, analista de políticas públicas em saúde, analista de sistemas, contador, economista, estatístico, jornalista, arquiteto, engenheiro, e a nova especialidade de auditor, que abrange diversas áreas.

Primeiro concurso em 13 anos

 

O último concurso público realizado para o preenchimento de vagas efetivas na FMS aconteceu em 2011. Em junho de 2019, foi realizado um processo seletivo simplificado, ofertando 334 vagas para contratação temporária, porém, os testes tiveram sua validade expirada sem possibilidade de nova renovação, conforme dados da diretoria de Recursos Humanos da FMS.

Atualmente, a FMS possui cerca de 11 mil servidores efetivos, com aproximadamente 8,3% desse quantitativo afastados legalmente, demandando substituição imediata.

O concurso atende à necessidade de contratação de profissionais em diversas áreas, visando ao interesse público, conforme a Lei Municipal 3.290/2004 e outras disposições legais aplicáveis.

Segundo o Presidente da FMS, Ítalo Costa, diante do contexto atual, a realização do concurso é fundamental para garantir a continuidade dos serviços públicos sob a responsabilidade da FMS. Fonte: G1-PI

Caso Padre Zé: primeira audiência é suspensa sem depoimentos de padre Egídio e de ex-diretoras

Padre Egídio de Carvalho Neto, ex-diretor do Hospital Padre Zé — Foto: TV Cabo Branco/Reprodução

Os réus devem ser ouvidos apenas no mês de junho, quando a audiência vai ser retomada.

A primeira audiência de instrução do processo que apura um esquema de desvios de recursos no Hospital Padre Zé, iniciada nesta segunda-feira (20), foi suspensa após a defesa do padre Egídio de Carvalho insistir no depoimento de testemunhas que faltaram. Com isso, os três acusados, o padre e as ex-diretoras do hospital, Jannyne Dantas Miranda e Amanda Duarte da Silva Dantas, não foram ouvidos pela Justiça.

Na audiência desta segunda, foram ouvidas sete testemunhas, sendo seis apresentadas pelos réus e uma testemunha de acusação. Veja abaixo a lista de quem foi ouvido nesta segunda-feira.

  • Uma contadora do Padre Zé (arrolada pelo MP);
  • Dois porteiros do Padre Zé;
  • Dois funcionárias do hospital;
  • Dom Delson (arrolado pela defesa do Padre);
  • Samuel Segundo, ex-funcionário do hospital.
  • De acordo com o Tribunal de Justiça da Paraíba, a audiência vai será retomada no dia 13 de junho. Nesta data, serão ouvidas as testemunhas de defesa e também serão interrogados os réus.

    O g1 tentou contato com a defesa de padre Egídio, mas não teve retorno até a última atualização desta notícia.

    A audiência é referente à Operação Indignus, que investiga desvios na gestão do hospital, será realizada no Fórum Criminal de João Pessoa. A Justiça autorizou que ela poderia acontecer de forma presencial ou semipresencial.

    Estão citados no processo o padre Egídio de Carvalho e as ex-diretoras do Hospital Padre Zé, Jannyne Dantas Miranda e Silva e Amanda Duarte da Silva Dantas (ex-tesoureira), investigados por suspeita de envolvimento em esquema de desvio de recursos e fraudes na gestão da unidade hospitalar, em João Pessoa.

    Já a audiência de instrução do processo em que padre Egídio é investigado por supostas fraudes na compra de computadores será realizada em 27 de maio. Nesse processo, também são investigados Amanda Duarte e o empresário João Diógenes de Andrade Holanda, suspeitos de desvio de recursos públicos destinados à aquisição desses equipamentos.

    Hospital Padre Zé, em João Pessoa — Foto: Hospital Padre Zé/Divulgação

    Hospital Padre Zé, em João Pessoa — Foto: Hospital Padre Zé/Divulgação

    Quando começou a investigação?

     

    A operação ‘Indignus’ foi deflagrada na manhã do dia 5 de outubro, mas as irregularidades no Hospital Padre Zé começaram a ser investigadas quando mais de 100 aparelhos celulares foram furtados da instituição. Esse caso foi tornado público em 20 de setembro. A denúncia, no entanto, foi feita em agosto e imediatamente um inquérito policial foi aberto. Um suspeito, inclusive, chegou a ser preso, mas responde em liberdade e cumpre medidas cautelares.

    Padre Egídio deixou a direção do hospital logo após a denúncia sobre o furto de celulares. Os celulares foram doados pela Receita Federal, oriundos de apreensões, e seriam vendidos em um bazar solidário para comprar uma ambulância com UTI e um carro para distribuição de alimentos para pessoas em situação de vulnerabilidade.

    No desenrolar das investigações do furto, a Arquidiocese da Paraíba anunciou que estava afastando o padre Egídio de qualquer ofício ou encargo eclesiástico. Na prática, ele fica proibido de ministrar missas ou qualquer outro sacramento da igreja.

    Após o furto dos celulares, uma denúncia anônima foi apresentada ao Ministério Público da Paraíba apontado uma série de irregularidades na gestão do padre Egídio.

    Na terça, 3 de outubro, uma força-tarefa composta por órgãos públicos da Paraíba foi formada para investigar irregularidades no Hospital Padre Zé.

    O Hospital Padre Zé, em João Pessoa, afirmou que constatou inúmeras dívidas que comprometem sua funcionalidade após avaliar a situação operacional, funcional, contábil e financeira da instituição. A gestão disse que a primeira providência foi solicitar ao Ministério Público da Paraíba uma ampla auditoria em todas as contas, contratos, convênios e projetos do hospital. Fonte: G1-PB

Homem é preso suspeito de armazenar e vender fotos e vídeos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes

Homem é preso no Piauí com mais de 3 mil fotos e vídeos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes — Foto: Polícia Civil

A operação faz parte de uma investigação conduzida pelas policiais civis de 13 estados do Brasil contra um grupo criado em um aplicativo de mensagens onde esse tipo de conteúdo era compartilhado e vendido.

Um homem foi preso nesta terça-feira (21) suspeito de comercializar fotos e vídeos de abusos sexuais contra crianças e adolescentes em Cocal dos Alves, no Norte do Piauí.

Segundo a Polícia Civil, foram encontrados mais de 3 mil mídias, fotos e vídeos, de abusos contra crianças adolescentes. As mídias foram encontradas em computadores, celulares e HDs encontrados na casa do suspeito. Os dispositivos devem ainda passar por análise pericial.

A prisão deste homem faz parte de uma investigação conduzida pelas policiais civis de 13 estados do país contra grupos criados em um aplicativo de mensagens onde esse tipo de conteúdo era compartilhado e vendido. O nome da operação, “Bad Vibes III”, faz referencia aos aplicativos utilizados pelos investigados

No Piauí, os policiais fizeram buscas na casa do suspeito e o prenderam, em cumprimento a uma ordem de prisão expedida pela Justiça contra ele.

Outras 25 buscas estão sendo realizadas pela policia em endereços ligados a outros membros deste tipo de grupo no Amazonas, em Santa Catarina, Pará, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Piauí, Espírito Santo, Bahia, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Rio Grande do Sul.

A operação faz parte de mobilização nacional coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (Secretaria Nacional de Segurança Pública), Polícias Civis do Brasil e agência norte-americana da Homeland Security Investigations.

Segundo o delegado Yan Brainer, que comandou a operação no Piauí, a prisão é fruto de informações enviadas pelo Laboratório de Operações Cibernéticas do Ministério da Justiça, que identificou os suspeitos. Os policiais do Piauí deram continuidade à investigação e chegaram ao suspeito. Fonte: G1-PI

Comerciantes de Porto Alegre levam dias só para limpar lojas

Porto Alegre (RS), 20/05/2024 – CHUVAS RS- LIMPEZA - Comerciantes retiram entulho e limpam lojas para retomar os negócios no Centro Histórico de Porto Alegre. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

O recuo das águas do Guaíba no centro histórico de Porto Alegre começou a mostrar a dimensão do estrago causado pela enchente histórica que atingiu a capital há duas semanas. Ainda sem energia elétrica, o trabalho dos últimos dias na região mais antiga da cidade tem sido a limpeza urbana e a limpeza dos próprios estabelecimentos.

“Do jeito que está, vou levar a semana toda para poder organizar, limpar e montar a loja novamente”, prevê Vespasiano de Menezes Neto, gerente de uma farmácia nas proximidades do Mercado Público da capital, este ainda alagado e fechado. Na tarde dessa segunda-feira (20), Neto liderava um grupo de funcionários em uma pesada limpeza do estabelecimento, ainda impregnado por lama fétida. Pelo chão, caixas de medicamentos e produtos de higiene. Ali, conta o gerente, a água chegou a cerca de 1,5 metro de altura. Ele chegou a tentar subir as prateleiras, mas a inundação inutilizou 70% das mercadorias, além de equipamentos de informática e mobiliário. “Medicamentos são produtos com alto valor agregado. Calculamos prejuízos de R$ 200 mil a R$ 250 mil apenas com produtos”, diz Neto.

Porto Alegre (RS), 20/05/2024 – CHUVAS RS- LIMPEZA - Comerciantes retiram entulho e limpam lojas para retomar os negócios no Centro Histórico de Porto Alegre. Vespaziano de Menezes é gerente de loja destruída pela enchente. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Porto Alegre – Vespasiano de Menezes é gerente de loja destruída pela enchente – Foto Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

A poucos metros dali, na parte de trás da Praça 15 de Novembro, o bazar de artigos populares da chinesa Li Hong Shia estava no quarto dia de limpeza, com muito a ser feito. Um dos funcionários da loja, Edson Nunes, diz que houve poucas horas para se preparar antes da subida das águas do Guaíba. “Não imaginamos que subiria tanto e só elevamos uma prateleira de produtos. Quando voltamos, tivemos que jogar grande parte dos produtos fora, não deu nem pra lavar, com essa água toda contaminada”, relata. A previsão de Nunes é de que a loja só consiga reabrir ao público em cerca de 10 dias.

Necessidade de apoio

Abalados com a extensão dos danos ao comércio, lojistas ouvidos pela Agência Brasil esperam mais apoio do poder público no processo de reerguer os negócios.

“Perdi geladeira, impressora, centenas de mercadorias na lama. O imposto tem que baixar, para pagar funcionário”, cobra Li Hong Shia, dona de um bazar na Praça 15 de Novembro.

Proprietário de uma ótica na Avenida Otávio Rocha, Paulo Roberto não vê alternativa de recuperar o negócio se não houver apoio direto dos governos.

“A gente depende dele [poder público]. Se não der apoio, ferrou. Tira imposto, qualquer coisa assim. Não tenho nem ideia, tchê, do prejuízo que tive. A gente está começando a limpar, botei metade da loja na rua, depois a gente vai saber como ficou a coisa”.

Porto Alegre (RS), 20/05/2024 – CHUVAS RS- LIMPEZA - Comerciantes retiram entulho e limpam lojas para retomar os negócios no Centro Histórico de Porto Alegre. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Porto Alegre – Comerciantes retiram entulho e limpam lojas para retomar os negócios no centro histórico de Porto Alegre – Foto Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

“Se todo mundo tivesse feito a sua parte, isso não teria acontecido. Ninguém acreditava nessa imensidão de água, mas eles [poder público] tinham essa informação bem antes disso”, reclama Vespasiano. “O IPTU dessa loja é R$ 15 mil por ano. Essa loja tem 25 anos, calcula aí o quanto contribuímos”, acrescenta, defendendo que haja perdão ou renegociação dos débitos.

Prorrogação de impostos

Entre as medidas anunciadas até agora em favor dos comerciantes gaúchos afetados, o governo federal prorrogou os prazos de vencimento dos tributos federais e das parcelas dos parcelamentos para contribuintes dos municípios em estado de calamidade pública.

O Comitê Gestor do Simples Nacional também estendeu os prazos de vencimento dos tributos apurados no Simples Nacional. Já a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional (PGFN) adiou os prazos de vencimento das parcelas dos programas de negociação e suspendeu por 90 dias prazos relacionados a atos de cobrança da dívida ativa da União.

Porto Alegre (RS), 20/05/2024 – CHUVAS RS- LIMPEZA - Comerciantes retiram entulho e limpam lojas para retomar os negócios no Centro Histórico de Porto Alegre. Foto: Rafa Neddermeyer/Agência Brasil
Porto Alegre – Comerciantes retiram entulho e limpam lojas no centro histórico de Porto Alegre – Foto Rafa Neddermeyer/Agência Brasil

No plano estadual, a Secretaria da Fazenda (Sefaz) flexibilizou o pagamento de tributos. Já a prefeitura de Porto Alegre prorrogou os vencimentos de tributos como ISS, IPTU e TCL. Além disso, estão suspensas ações de negativação e protesto, cobranças administrativas e procedimentos de exclusão de contribuintes de negociações por inadimplência de parcelas.

O Sindicato dos Lojistas do Comércio de Porto Alegre, que representa 20 mil empresas na capital, lançou uma campanha na internet para aproximar consumidores e lojistas e tentar fortalecer os pequenos negócios.

Fonte: Agência Brasil Edição: Graça Adjuto

Homem é preso suspeito de aplicar golpe de R$ 1 milhão em idosos na Paraíba

Homem é preso suspeito de aplicar golpe em idosos' — Foto: TV Cabo Branco

De acordo com a polícia, o suspeito aplicava os golpes por meio de cartões de crédito conseguindo empréstimos fraudulentos em nome das vítimas.

Um homem foi preso suspeito de aplicar um golpe de R$ 1 milhão em idosos, na cidade de Dona Inês, na região de Guarabira. O suspeito fazia parte de uma organização criminosa que fazia empréstimos fraudulentos em nome das vítimas e também pedia cartões de crédito.

De acordo com informações da delegada que investiga o caso, Symone Rosemberg, o homem era um dos principais atuantes da organização que atraia os idosos a correspondentes bancários, com o falso pretexto de atualização de informações bancárias.

A investigação apontou que dois funcionários de um banco na cidade de Tacima, também na região de Guarabira, operacionalizavam o golpe dentro da agência, isso porque as informações repassadas pelas vítimas eram utilizadas para abrir contas, fazer cartões de créditos e realizar empréstimos não requeridos pelos idosos.

Somente um suspeito de integrar a organização criminosa foi preso nesta segunda-feira (20). Segundo a polícia, os outros suspeitos não foram presos e seguem sendo investigados. Eles foram demitidos da agência onde trabalhavam.

Fonte: G1-PB

Braiscompany: MPF denuncia casal de donos, doleiro e mais quatro pessoas por lavagem de dinheiro

Sede da Braiscompany, em Campina Grande — Foto: Ewerton Correia/TV Paraíba

Denúncia do MPF aponta que na fase de “desmoronamento” da empresa, o casal-proprietário Antônio Neto e Fabrícia Farias realizou operações financeiras de grande porte típicas de lavagem de dinheiro.

O Ministério Público Federal (MPF) fez uma nova denúncia contra a Braiscompany, empresa investigada por crimes contra o sistema financeiro e o mercado de capitais. Foram denunciados o casal-proprietário, um doleiro e mais quatro investigados no esquema por lavagem de dinheiro.

De acordo com o documento, as investigações identificaram que, na fase de “desmoronamento” da empresa, o casal-proprietário Antônio Neto e Fabrícia Farias realizou operações financeiras de grande porte típicas de lavagem de dinheiro, inclusive para se desfazer de imóveis e bens do casal.

Ainda segundo o MPF, os proprietários da empresa utilizaram um doleiro para fazer a lavagem do dinheiro. O órgão ministerial aponta que Joel Ferreira de Souza foi o doleiro do esquema e atuava realizando transações criptográficas, seja recebendo em espécie e disponibilizando em criptoativos e vice-versa.

g1 não conseguiu contato com a defesa de Antônio Neto e Fabrícia Farias e não conseguiu localizar os advogados de Joel Ferreira de Souza.

A denúncia também aponta que Antônio Neto e Joel Ferreira mantinham relações profissionais desde 2018, antes mesmo da empresa Braiscompany existir. O relacionamente entre eles continuou até a fase final da empresa, em fevereiro de 2023.

De acordo com a denúncia, Joel foi responsável por montar um esquema que utilizava diversas empresas para movimentar os valores e contas. O doleiro realizava as operações para diversos clientes em todo o país e no exterior, dentre eles a empresa Braiscompany.

“Como se demonstrará, Joel Ferreira de Souza constituiu, organizou, geriu e administrou uma sofisticada e complexa estrutura profissional para a prática de atos de lavagem de capitais, incluindo diversas tipologias já apresentadas em tópico anterior, dentre elas, a constituição de empresas em nome de interpostas pessoas, a pulverização de valores (“smurfing”), a utilização de recursos em espécie e criptoativos, o uso de contas offshore etc… Para tanto, contava com o auxílio material do seu filho Victor Augusto Veronez”, afirma o documento.

O MPF conseguiu vasculhar pelo menos R$ 2,6 bilhões que teriam passado pelas empresas de Joel. De acordo com o órgão, uma das transações feitas do doleiro com a Braiscompany movimentou R$ 5 milhões provenientes da venda de uma aeronave do casal.

Foram denunciados os donos da Braiscompany, Antônio Inácio da Silva Neto e Fabrícia Farias; além de Victor Augusto Veronez, filho de Joel; Mizael Moreira Silva, Clélio Cabral do Ó e Gesana Rayane Silva. Os últimos três também foram denunciados em outras ações penais.

Antônio Neto Ais está preso preventivamente na Argentina e Fabrícia Farias continua no mesmo país, mas em liberdade provisória. Na primeira ação, os dois foram condenados a 149 anos, juntamente com outros réus. O casal recorreu da decisão.

O que diz a defesa dos acusados

 

A defesa de Gesana Silva informou que “a denúncia traz surpresa e indignação, visto que os fatos nela contidos já foram objeto da primeira denúncia no processo em questão, e não houve menção aos crimes agora imputados à ré naquela ocasião”. A defesa também afirma que o meio de prova utilizado é ilegal, alegando que não houve a devida proteção dos dados na cadeia de custódia.

A defesa de Mizael afirmou que estão convictos que a inocência do cliente será provada e defendem que ele é “mais uma vítima do casal golpista”, se referindo a Antônio Neto e Fabrícia Farias. Além disso, afirmam que a prova disso é que Mizael teria investido tudo o que tinha na empresa e ainda convenceu os pais a fazerem o mesmo.

Caso Braiscompany

Antônio Ais Neto em uma das sedes da empresa — Foto: Divulgação/Braiscompany

Antônio Ais Neto em uma das sedes da empresa — Foto: Divulgação/Braiscompany

A Braiscompany foi alvo de uma operação da Polícia Federal no dia 16 de fevereiro de 2023, que teve como objetivo combater crimes contra o sistema financeiro e o mercado de capitais. As ações da PF aconteceram na sede da empresa do ‘casal Braiscompany’ e em um condomínio fechado, em Campina Grande, e em João Pessoa e em São Paulo. A operação foi nomeada de Halving.

A empresa, idealizada pelo casal Antônio Ais e Fabrícia Ais, era especializada em gestão de ativos digitais e soluções em tecnologia blockchain. Os investidores convertiam seu dinheiro em ativos digitais, que eram “alugados” para a companhia e ficavam sob a gestão dela pelo período de um ano. Os rendimentos dos clientes representavam o pagamento pela locação dessas criptomoedas.

Além da taxa de retorno financeiro muito acima do regularmente praticado no mercado, boa parte da atração exercida pela Braiscompany está ligada à imagem de seu fundador, Antônio Inácio da Silva Neto. Ele adotou suas três primeiras iniciais como sobrenome e se apresenta como Antônio Neto Ais.

O empresário mantinha um Instagram com fotos bem produzidas, registros ao lado de celebridades e vídeos motivacionais. Quando o golpe estourou, sua rede social registrava 900 mil seguidores, que consumiam conteúdo sobre uma vida de luxo e sucesso individual.

No dia 13 de fevereiro de 2024, o juiz da 4ª Vara Federal em Campina Grande, Vinícius Costa Vidor, publicou sentenças do processo que apura o esquema de fraudes na Braiscompany.

Foram condenados o ‘casal Braiscompany’, Antônio Inácio da Silva Neto (88 anos e 7 meses) e Fabrícia Farias (61 anos e 11 meses), além de outros 9 réus e um montante a ser reparado de R$ 277 milhões em danos patrimoniais e R$ 100 milhões em dano coletivo.

Confira os nomes e penas:

  • Antônio Inácio da Silva Neto – 88 anos e 7 meses
  • Fabrícia Farias – 61 anos e 11 meses
  • Mizael Moreira da Silva – 19 anos e 6 meses
  • Sabrina Mikaelle Lacerda Lima – 26 anos
  • Arthur Barbosa da Silva – 5 anos e 11 meses
  • Flávia Farias Campos – 10 anos e 6 meses
  • Fernanda Farias Campos – 8 anos e 9 meses
  • Clélio Fernando Cabral do Ó – 19 anos
  • Gesana Rayane Silva – 14 anos e 6 meses
  • Deyverson Rocha Serafim – 5 anos
  • Felipe Guilherme de Souza – 18 anos Fonte: G1-MA

Preso após briga em mercado público, homem ateia fogo em colchão e causa incêndio em batalhão da PM, no PI

Homem preso pela polícia após briga em mercado público, ateia fogo em colchão em batalhão da PM no PI — Foto: Reprodução

O homem foi autuado em flagrante pelo crime de lesão corporal contra os policiais militares e dano qualificado ao patrimônio público.

Um homem preso pela polícia no início da tarde desta segunda-feira (20) após se envolver em uma briga com outros dois homens no Mercado Público de Santa Cruz do Piauí, a 304 km de Teresina. Dentro do Grupamento da Polícia Militar, para onde foi conduzido, ele ateou fogo em um colchão e causou um incêndio no local.

Segundo o cabo Tonny César, o incidente não deixou feridos. Apenas o colchão do local foi queimado, mas o fogo se espalhou pelas paredes e deixou o ambiente coberto de fuligem.

“O homem foi conduzido para o GPM para conversar sobre a confusão no mercado, e nesse momento, o senhor correu até cozinha do GPM, pegou um isqueiro, entrou na cela e ateou fogo em um colchão”, explicou o cabo Tonny.

Homem preso pela polícia após briga em mercado público, ateia fogo em colchão em batalhão da PM no PI — Foto: Reprodução

O homem foi autuado em flagrante pelos crimes de lesão corporal contra os policiais militares e dano qualificado ao patrimônio público. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Oeiras para os procedimentos cabíveis. Fonte: G1-PI

Lixo é descartado irregularmente na Avenida dos Africanos, em São Luís

Lixo sendo descartado na Avenida dos Africanos, em São Luís — Foto: Juvêncio Matos/ TV Mirante

A grande quantidade de lixo espalhado na Avenida dos Africanos, no bairro do Sacavém, em São Luís, tem deixado os moradores incomodados. Eles reclamam que, além da sujeira, o descarte irregular prejudica a saúde de quem precisa conviver diariamente com esse problema.

‘’Na minha rua, pessoas de outros bairros vêm para cá e jogam lixo que eles trazem em carroças, em carros de mão, motoristas sujam e jogam também entulhos de construções”, disse Conceição Araújo.

 

Imagens obtidas pelo g1 mostram lixo espalhado que foi jogado em frente a uma escola pública da comunidade. Papelão, plástico e restos de alimentos são alguns dos itens que são descartados de qualquer jeito pela avenida.

Outro ponto que chama atenção é que na Avenida dos Africanos, próximo à escola UEB Darcy Ribeiro, há um ecoponto que pode receber e dar um destino correto a grande parte desse material encontrado no chão, como plástico, vidro e madeira.

A reportagem do g1 entrou em contato com a Prefeitura de São Luís e solicitou o posicionamento, mas não obteve resposta até o momento da publicação desta matéria.

Descarte Irregular

 

O descarte irregular pode causar inúmeros problemas, como: A poluição visual da cidade; A poluição do meio ambiente; Proliferação de doenças graves, pois os resíduos podem virar foco de água parada aumentando os casos de dengue, e atrair bichos, como ratos, baratas e escorpiões, que também transmitem doenças.

Confira o mapa dos Ecopontos de São Luís

 

  • Ecoponto Parque Amazonas, Avenida dos Africanos, s/nº, Bairro de Fátima, entrada do Parque Amazonas;
  • Ecoponto do Angelim Rua 27, s/nº (antes do Makro, próximo ao Restaurante Chico Noca);Ecoponto do Bequimão, Avenida 1, s/nº, Bequimão;
  • Ecoponto Habitacional Turu Travessa G, s/nº, Habitacional Turu;Ecoponto Jardim América, Avenida 03, s/nº, Jardim América (Ao lado da União de Moradores)
  • Ecoponto Jardim Renascença, Rua Netuno, próximo à Paróquia de São Paulo Apóstolo
  • Ecoponto Residencial Esperança, Rua Doutor Ribeiro, s/nº, Residencial Esperança
  • Ecoponto Cidade Operária – Unidade 101, Avenida Este 203, Cidade Operária, próximo ao Campo do Real
  • Ecoponto São Francisco, Avenida Ferreira Gullar, ao lado da Estação Elevatória da Caema
  • Ecoponto Anil, Rua 02, Conjunto Rancho Dom Luiz, Anil
  • Ecoponto São Raimundo, Rua 03, Quadra 50, próximo ao ponto final do bairro
  • Ecoponto Cidade Operária – Unidade 205, Avenida Leste 103, próximo ao à UEB Mata Roma
  • Ecoponto Itapiracó, Avenida Joaquim Mochel, Cohatrac IV, próximo ao Campo do Léozão
  • Ecoponto Sacavém, Avenida dos Africanos, próximo ao antigo Habib’s
  • Ecoponto Parque dos Nobres, Rua dos Imperadores, próximo à Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro
  • Ecoponto Barreto, Rua Cinco de Janeiro, Barreto/IvarSaldanha, próximo ao Centro Educacional Coelho Neto
  • Ecoponto Primavera, Avenida Contorno Sul, s/n, Residencial Primavera, próximo ao Colégio Shalom
  • Ecoponto Cohaserma, Rua 14, s/nº, Cohaserma
  • Ecoponto Centro, Avenida Senador Vitorino Freire, s/nº, Anel Viário
  • Ecoponto Vila Isabel, Avenida dos Portugueses, s/nº, Vila Isabel
  • Ecoponto Cohab Anil, Avenida Principal, s/nº, Planalto Anil I, próximo ao Fest Lanches
  • Ecoponto Avenida dos Holandeses, Avenida dos Holandeses, s/nº, Calhau, próximo à antiga loja Jacaúna
  • Ecoponto Calhau Borborema, Avenida Borborema, s/nº, Calhau
  • Ecoponto Recanto do Vinhais;
  • Ecoponto Jardim São Cristóvão Fonte: G1-MA

Base Aérea de Canoas recebe voos comerciais a partir de quarta-feira

Base Aérea de Canoas abre para operações de aeronaves comerciais. Foto: Esquadrão Pampa/Divulgação

A Base Aérea de Canoas, administrada pela Força Aérea Brasileira (FAB), funcionará como aeroporto e receberá 35 voos semanais, a partir desta quarta-feira (22). A medida emergencial servirá como alternativa ao Aeroporto Internacional Salgado Filho em Porto Alegre (RS), que está fechado por tempo indeterminado desde 6 de maio, após ter as instalações térreas e a pista de pouso e decolagem alagadas com a cheia do Guaíba.

De acordo com o ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, e o ministro da Secretaria Extraordinária da Presidência da República para Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul, Paulo Pimenta, as companhias aéreas podem iniciar a venda de bilhetes a partir desta terça-feira (21).

“Na quarta-feira, a Base Aérea de Canoas está disponível para receber voos comerciais. Amanhã, as companhias aéreas vão iniciar as vendas de bilhetes para, a partir daí, começar os voos que, naturalmente, dependem da demanda que as [companhias] aéreas vão começar a receber.”

Com este anúncio, a malha emergencial terá 134 voos para o acesso ao Rio Grande do Sul por semana, A primeira fase do plano de aviação foi anunciada com 116 voos comerciais semanais.

“Com mais 6 mil [passageiros] que nós teremos em Canoas, vamos ter condições de atender, no primeiro momento, a 30 mil passageiros por semana”, estima o ministro da Secretaria Extraordinária, Paulo Pimenta.

Voos

Os aviões decolarão e pousarão em sete aeroportos de pequeno e médio porte no Rio Grande do Sul e mais dois em Santa Catarina.

Veja a malha aérea emergencial:

Rio Grande do Sul

Aeroporto de Caxias do Sul: 39 voos semanais;

Aeroporto de Santo Ângelo: 6 voos semanais;

Aeroporto de Passo Fundo: 21 voos semanais;

Aeroporto de Pelotas: 6 voos semanais;

Aeroporto de Santa Maria: 3 voos semanais;

Aeroporto de Uruguaiana: 3 voos semanais;

Base Aérea de Canoas: 35 voos semanais.

Santa Catarina

Aeroporto de Florianópolis: 14 voos semanais;

Aeroporto de Jaguaruna: 7 voos semanais.

Fonte: Agência Brasil Edição: Carolina Pimentel