Blog do Walison - Em Tempo Real

APÓS ARMADILHA EM ESTRADA, CASAL SOFRE ASSALTO E MULHER MORRE AO SER BALEADA

Uma mulher de 41 anos morreu após um assalto ocorrido no km 81 da BR-402, na região do povoado Moçambique, em Humberto de Campos, a cerca de 85 km de São Luís.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), Vânia Pereira da Silva estava em um carro junto com o marido, quando foram surpreendidos por galhos e tocos de madeira colocados na rodovia. Ao parar o carro, dois homens saíram de dentro de uma área de mato e anunciaram o assalto.

O motorista e marido de Vânia, que é policial militar, reagiu ao assalto e efetuou disparos. Um dos assaltantes identificado como Josivan Lopes da Conceição, de 22 anos, também atirou e atingiu a cabeça de Vânia com um tiro de espingarda “bate bucha”.

Ela foi socorrida, levada ao hospital, mas não resistiu aos ferimentos e faleceu. Josivan foi preso dirigindo uma moto roubada e depois foi levado para a Delegacia de Rosário.

Fonte: G1MA

Caixa e BB iniciam pagamento de cotas do PIS/Pasep

Quem trabalhou com carteira assinada entre 1971 e 4 de outubro de 1988 começa a receber hoje (19) as cotas do Programa de Integração Social (PIS) e do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). A Caixa Econômica Federal, que administra o PIS, e o Banco do Brasil (BB), que administra o Pasep, começam a depositar o dinheiro nas contas dos correntistas das duas instituições.

Os demais cotistas poderão fazer os resgates conforme calendário divulgado pela Caixa e o Banco do Brasil. Segundo a Medida Provisória (MP) 889/2019, os recursos do fundo ficarão disponíveis para todos os cotistas, sem limite de idade. Diferentemente dos saques anteriores, agora não há prazo final para a retirada do dinheiro.

A MP facilita o saque por herdeiros, que passarão a ter acesso simplificado aos recursos. Eles terão apenas de apresentar declaração de consenso entre as partes e a declaração de que não existem outros herdeiros conhecidos.

PIS

Tabela do PIS
Tabela do PIS – Arte/EBC

Segundo a Caixa, 10,4 milhões de trabalhadores terão direito ao saque das cotas do PIS. O pagamento deve injetar até R$ 18,3 bilhões na economia brasileira. Hoje, o crédito automático será feito apenas para quem tem conta corrente ou poupança no banco. Em 26 de agosto, será a vez de os cotistas a partir de 60 anos poderem sacar. O pagamento aos trabalhadores com até 59 anos começará em 2 de setembro.

O saque de até R$ 3 mil poderá ser feito nas lotéricas, correspondentes Caixa Aqui e nos terminais de autoatendimento, utilizando o cartão Cidadão, com senha. Outra opção é nas agências da Caixa. Acima de R$ 3 mil, somente nas agências da Caixa.

O PIS atende aos trabalhadores da iniciativa privada. Para saber se tem direito às cotas do fundo, o correntista deve consultar o endereço www.caixa.gov.br/cotaspis.

Pasep

Tabela do Pasep
Tabela do Pasep – Arte EBC

No caso do Pasep, administrado pelo Banco do Brasil, estão disponíveis para saque R$ 4,5 bilhões pertencentes a 1,522 milhão de cotistas. Cerca de 30 mil participantes receberão automaticamente o dinheiro hoje. O Pasep atende a servidores públicos, militares e trabalhadores de empresas estatais.

Os cotistas clientes de outras instituições financeiras, com saldo de até R$ 5 mil, poderão transferir o saldo da cota por meio de Transferência Eletrônica de Documento (TED), sem nenhum custo, a partir de 20 de agosto. Os demais cotistas, assim como herdeiros e portadores de procuração legal, poderão realizar os saques diretamente nas agências do BB, a partir de 22 de agosto.

A opção de transferência oferecida pelo BB pode ser feita tanto pela internet, no endereço eletrônico www.bb.com.br/pasep, quanto pelos terminais de autoatendimento. O cotista ainda pode obter informações por meio da Central de Atendimento BB, pelos telefones 4004-0001 (capitais e regiões metropolitanas) ou 0800-729-0001 (demais localidades).Fonte Agência Brasil.

Movimentação de fertilizantes no Porto do Itaqui é um carrossel de oportunidades

De janeiro a julho deste ano, o Porto do Itaqui movimentou mais de 1 milhão de toneladas de fertilizantes, volume 5% acima do que foi registrado no mesmo período de 2018. No total, em 2018, foram descarregadas no porto público do Maranhão quase 2 milhões de toneladas de fertilizante e a tendência é fechar 2019 bem acima dessa marca.


Mais de 1 milhão de toneladas de fertilizantes foi movimentada de janeiro a julho no Porto do Itaqui (Foto: Divulgação)

A consolidação do Porto do Itaqui como principal porta de saída da produção de grãos (soja e milho) da região Centro-Norte do Brasil está impulsionando, cada vez mais, a importação de fertilizantes como carga de retorno. O Itaqui ocupa o top três no escoamento de soja entre os portos públicos brasileiros e é o quinto em importação de aditivos para produção agrícola.

Por trás desses resultados está uma rede de negócios que, direta e indiretamente, impactam a economia do Maranhão e do Brasil. Importadores, autoridade portuária, armadores, operadoras portuárias, agências marítimas, praticagem e arrendatários – diretamente relacionados ao porto – demandam prestadores de serviços, fornecedores de produtos, transportadores e mão de obra diversificada. Todos movimentando a roda da economia com geração de emprego e renda ao longo de uma diversificada cadeia produtiva.

A soma de empregos, diretos e indiretos, gerados a partir da atividade portuária chega a aproximadamente 14 mil postos de trabalho. Isso inclui colaboradores da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), das operadoras e arrendatárias, funcionários de órgãos públicos como a Receita e a Polícia Federal, Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Vigiagro e bombeiros. Também incluídos os trabalhadores portuários avulsos (TPAs) que, segundo a Lei dos Portos (12.815/2013) devem, necessariamente, ser demandados pelas operadoras portuárias para trabalhos no Itaqui. Essa mão de obra é gerida pelo OGMO (Órgão Gestor de Mão de Obra).

Há ainda funcionários de empresas terceirizadas, de restaurantes, agências bancárias e demais empreendimentos estabelecidos no porto e associados às cadeias movimentadas através dele ao longo de toda a área de influência.

Com a responsabilidade de garantir a infraestrutura necessária ao funcionamento de todos esses negócios, administrando e fiscalizando as operações, a Emap exerce a autoridade portuária e gerencia a movimentação, atuando desde a atracação, desatracação e tráfego de embarcações no porto, zelando pelo cumprimento da legislação vigente, segurança e respeito ao meio ambiente.

Da Rússia ao sul do Maranhão

A maior parte dos fertilizantes movimentado pelo Porto do Itaqui vem da Rússia, Egito e Israel que, juntos, respondem por 51% do total. Segundo dados da Associação Nacional para Difusão de Adubos, o mercado brasileiro consumiu 35,5 milhões de toneladas de fertilizantes em 2018. Desse total, apenas 8,1% é produzido no país, que importou 77% do que foi entregue ao mercado, o que equivale a 27,7 milhões de toneladas.

Até chegar às fazendas dos produtores de grãos do Maranhão e demais estados que integram o Matopiba – espaço onde cresce a produção de grãos, abrangendo áreas dos estados de Tocantins, Piauí, Bahia, além do nordeste do Mato Grosso -, muitas distâncias são vencidas e vários negócios realizados. Um dos elos importantes dessa cadeia é o operador portuário, responsável pelo desembarque da carga que chega desses países.

Fábio Alvarenga, da Brazil Marítima, responsável pela operação de 336 mil toneladas de fertilizante em 2018, vem trabalhando na perspectiva de aumento de volume e de produtividade. “A expansão do Matopiba e o aumento da demanda da Ásia associados à administração profissional do Porto do Itaqui dão condições de competitividade para todos os players”, afirma.

A confiança no potencial de ampliação do mercado se traduz em novos projetos de investimentos no Itaqui. “Vamos apresentar um plano de investimento em máquinas e sistema para aumentar a produtividade mantendo o mesmo preço”, diz.

Depois de retirada a carga do navio pelo operador, entram em cena as empresas transportadoras. O fertilizante é descarregado em caminhões que fazem o trajeto entre o cais do porto e as fábricas localizadas no Distrito Industrial ao longo da BR-135. Para a gestora de negócios da Transul, Nazaré Madeira, a aposta é em inovação. “Estamos investindo em tecnologia e também em veículos. Até 2018 tínhamos 60 equipamentos (caminhões). Hoje temos 90”, afirma.

São mais de 100 funcionários, incluindo a matriz e a unidade de São Luís. Nazaré Madeira estima cerca de 380 postos de trabalho, entre diretos e indiretos, na trajetória dessa carga entre o Porto do Itaqui e as áreas produtoras. São operadores de sistema, pessoal administrativo, operacional, motoristas, trabalhadores em oficinas de manutenção, postos de combustível, restaurantes e demais serviços.

O fertilizante que chega à região produtora de grãos é fabricado a partir da mistura de diversos tipos de produtos químicos. São quatro fábricas e dois armazéns em um raio de 20 km na região da Vila Maranhão. Uma delas é a Fertilizantes Tocantins, que produziu 800 mil toneladas e responde pelo maior volume do fertilizante importado pelo Porto do Itaqui em 2018. Com capacidade para estocar 160 mil toneladas do produto.

Um dos principais destinos dessa carga é a região sul do Maranhão, onde estão localizadas as fazendas produtoras de soja e milho. Uma dessas propriedades é de Paulo Kreling, que é presidente da Associação dos Produtores da Serra do Penitente, região que abrange os municípios de Balsas, Tasso Fragoso e Alto Parnaíba, ao sul do Maranhão.

O empresário integra a carteira de clientes de uma consultoria agronômica que, entre outros serviços, oferece um pool de compras para aquisição de insumos, entre eles o fertilizante, tudo calculado de acordo com os períodos de safra. “Precisamos receber a carga até o final de agosto porque o plantio começa em outubro”, conta ele, que emprega 15 funcionários em sua propriedade, em Balsas.

Paulo Kreling deixou o Rio Grande do Sul há 16 anos por acreditar no potencial agrícola do Maranhão e não pensa em voltar. “O meu projeto agora é ter qualidade de vida aqui nessa região, estabilizar por aqui”, diz.

A perspectiva de crescimento da produção de grãos na região do Matopiba representa não só o aumento da movimentação de cargas, mas, também, a ampliação de infraestrutura do porto público maranhense e o fortalecimento dessa cadeia produtiva. Uma rede que hoje é responsável por cerca de 2 mil postos de trabalho, 1.400 diretos e aproximadamente 600 indiretos, numa conta que está em curva crescente de desenvolvimento para o Maranhão e toda a área de influência do Porto do Itaqui.

Investimento de R$ 140 milhões

Um exemplo do fortalecimento dessa cadeia produtiva e da confiança do setor privado no porto público do Maranhão é o investimento de R$ 140 milhões da Companhia Operadora Portuária do Itaqui (COPI) em um novo terminal de fertilizantes, com obras já iniciadas. O projeto prevê a construção de um armazém com capacidade para 80 mil toneladas e possibilitará movimentação de até 3,5 milhões de toneladas de fertilizantes por ano.

A nova estrutura será a mais moderna do país para esse tipo de operação, com interligação do armazém ao berço 101 do Itaqui. O contrato de arrendamento cobre uma área de 16 mil metros quadrados, destinada à movimentação de granéis sólidos e carga geral.

Para o presidente da COPI, Carlos Roberto Frisoli, o empreendimento – que deve estar concluído em dois anos – vai consolidar o Itaqui como o porto de entrada de fertilizante de todo o Arco Norte, incluindo Goiás. Ele avalia que o porto público maranhense é, logisticamente, mais ágil e mais competitivo pela localização geográfica (mais próximo do mercado externo) e por sua conexão ferroviária. “Vamos concorrer diretamente com os portos de Paranaguá e Santos”, afirma.

“Nós apostamos no Porto do Itaqui e no Maranhão porque é um porto viável e tem uma gestão profissional”, destaca Roberto Frisoli. O novo terminal deve iniciar as operações até o final de 2020 e a expectativa é movimentar 2,2 milhões de toneladas de fertilizante/ano.

Ascom

Operação apreende 1,5 milhão de carteiras de cigarros contrabandeadas

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Polícia Federal (PF) e soldados do Exército estouraram na madrugada deste domingo (18) um depósito de cigarros contrabandeados do Paraguai, no município de Francisco Alves, região noroeste do Paraná.

No local, foram apreendidos cerca de 1,5 milhão de carteiras de cigarro, cujo valor de mercado corresponde a cerca de R$ 7,5 milhões. Segundo a assessoria da PRF, esta é uma das maiores apreensões de cigarro realizadas nos últimos anos no Paraná.

O material apreendido foi encontrado em um acampamento escondido em meio à vegetação, próximo ao Rio Piquiri. No local, havia uma estrutura de apoio formada por alojamento, espaço para estocar mantimentos e roupas, além de uma pequena horta.

Um rapaz de 21 anos de idade foi preso em flagrante e um adolescente de 15 anos, apreendido. De acordo com a PRF, os dois declararam ter sido contratados para descarregar embarcações e carregar veículos, além de vigiar a carga ilícita.

Do total de 1,5 milhão de carteiras apreendidas, 500 mil estavam no semirreboque de um caminhão frigorífico, que também foi apreendido. O restante ainda estava depositado no próprio acampamento.

O crime de contrabando prevê uma pena de dois a cinco anos de prisão. A ocorrência foi encaminhada para a Delegacia da Polícia Federal em Guaíra. O adolescente foi encaminhado para a Delegacia da Polícia Civil, no mesmo município.

A ocorrência desta madrugada faz parte da Operação Hórus, coordenada pela Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça e Segurança Pública. A operação, que reúne diversos órgãos de segurança pública, tem como objetivo impedir a entrada de drogas, cigarros, armas e munições pelas fronteiras do país.

* Com informações do portal de notícias da PRF

Substância produzida pelo organismo tem potencial para tratar diabetes

O pesquisador brasileiro Luiz Osório Leiria, durante pesquisa de pós-doutorado na Universidade Harvard, nos Estados Unidos, identificou uma substância produzida pelo organismo que ajuda a controlar os níveis de glicose e pode ser uma alternativa para o combate a diabetes. Atualmente ele é pesquisador do Instituto de Biologia da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Em artigo publicado na revista Cell Metabolism, Leiria descreve pela primeira vez as funções de tal substância, o lipídio 12-HEPE, um tipo de gordura que é produzida e liberada pelo tecido adiposo marrom. O tecido adiposo marrom está principalmente relacionado à regulação térmica do organismo por meio da produção de calor. Já o tecido adiposo branco é aquele relacionado com a obesidade e tem a função é acumular gordura quando há excedente energético disponível.

Na pesquisa, Leiria descobriu que camundongos obesos tratados com o lipídio 12-HEPE apresentaram maior eficiência na redução dos níveis de glicose no sangue depois de receberem uma injeção com glicose concentrada, na comparação com os camundongos que não tinham recebido o tratamento com o lipídio.

“Mostramos que o 12-HEPE foi capaz de melhorar a tolerância à glicose em animais obesos, o que se deve à capacidade deste [lipídio] de promover a captação da glicose no tecido adiposo e no músculo. Aumentar a tolerância à glicose significa dizer a capacidade de transportar a glicose para os tecidos após uma ingestão alta de alimento (com glicose) reduzindo os níveis de glicose no sangue”, disse Luiz Osório Leiria.

O pesquisador demonstrou que o efeito benéfico do lipídio se deu pela capacidade do 12-HEPE promover a captação de glicose tanto no músculo quanto no próprio tecido adiposo marrom.

Diabetes

A importância da descoberta para um possível tratamento de pessoas com diabetes se dá porque os pacientes nessa condição têm seus níveis de glicose no sangue elevados e precisam de medicação para reduzir esses níveis. Leiria identificou, na pesquisa, que o lipídio 12-HEPE havia realizado a função de diminuir o nível de glicose no sangue entre os camundongos obesos.

“É cedo pra dizer, mas pode significar sim [um novo tipo de tratamento], pois no diabetes tipo 2 que ocorre intolerância à glicose, ou seja, ocorre um defeito da capacidade do organismo em captar a glicose após uma refeição e com isso a glicemia permanece elevada por muito tempo”, explicou.

Nos testes clínicos realizados com pacientes humanos, ao coletar amostras de sangue de pessoas magras e saudáveis, assim como de pacientes com sobrepeso e obesos, verificou-se que a quantidade de 12-HEPE do primeiro grupo foi maior do que no sangue dos pacientes com sobrepeso e obesos.

Ou seja, a pesquisa sugere a possibilidade de que a redução dos níveis desses lipídios na corrente sanguínea de pessoas obesas contribua, de alguma forma, para o aumento da glicose no sangue destes pacientes. A substância ainda não foi testada como tratamento em humanos, mas o pesquisador afirma que pretende fazer os testes no futuro.

Nos testes in vitro em células adiposas provenientes de humanos, os resultados mostraram que 12-HEPE aumentou a captação de glicose. “Em humanos, sabemos duas coisas: os níveis do lipídio são reduzidos em humanos obesos e, quando indivíduos tomam uma droga (Mirabegron) que ativa o tecido adiposo marrom, o lipídio é liberado no sangue”, contou Leiria.

Um remédio já comercializado no país chamado Mirabegron, indicado para o tratamento de uma disfunção urinária conhecida como bexiga hiperativa, tem também a capacidade de ativar o tecido adiposo marrom. A pesquisa de Leiria mostrou que pacientes tratados com esse medicamento têm níveis mais elevados de 12-HEPE no sangue.Fonte Agência Brasil

Bienal do Livro ajudará professores a formar novos leitores

A 19ª Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro, que acontece a partir do próximo dia 30, no Riocentro, pretende ajudar na grande missão dos professores de levar cultura aos estudantes por meio da leitura. A Bienal preparou o Fórum de Educação, a ser realizado nos dias 2 e 3 de setembro. “A gente resolveu que era necessário investir também no professor”, disse à Agência Brasil a diretora da Bienal, Tatiana Zaccaro.

O fórum é focado no profissional de sala de aula, no professor, no educador, “para que ele possa levar para dentro da escola o que ele vai aprender na Bienal, para disseminar a importância do hábito da leitura”, disse Tatiana.

As inscrições já estão abertas. Para ajudar o professor a educar em um mundo em transformação, estão programadas palestras, entre outros, do monge zen budista Haemin Sunim; do educador português José Pacheco, e do ex-judoca, fundador e presidente do Instituto Reação, Flávio Canto.

Jovens

Para os adolescentes, foi preparado um espaço denominado Arena #SemFiltro, o antigo Arena Jovem, onde os jovens poderão ter encontros com escritores, youtubers e personalidades admirados por essa geração conectada nas redes sociais. O ambiente tem acesso próprio e traz uma diversidade de assuntos que permeiam a vida dos adolescentes. Haverá mesas para debates sobre esperança, fé, amor, poesia, biografias, games, filmes, empoderamento, beleza, humor, LGBTQIA+, entre outros.

Na última edição da Bienal, em 2017, a procura pelos debates de interesse dos jovens cresceu 344% em relação à edição de 2015, enquanto a capacidade subiu de 90 para 400 lugares no mesmo período.

Pela primeira vez, todo o conteúdo da Bienal vai ser captado e disponibilizado em um canal específico, para que os debates com mais de 300 autores nacionais e estrangeiros em mais de 120 horas de programação não se percam, disse Tatiana. “A programação está incrível e pode ser acessada no site da Bienal”, disse a diretora.

Boulevard

No espaço lançado este ano e denominado Boulevard do Livro, editoras de todos os portes vão mostrar seus títulos em cerca de 16 estandes mobiliados de 15 metros quadrados cada.

Segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), Marcos da Veiga Pereira, algumas editoras, principalmente as sediadas fora do estado do Rio de Janeiro, não teriam condições financeiras de participar da Bienal durante todos os dias. Com o Boulevard do Livro, elas têm a oportunidade de expor seus catálogos. Ali, eles contam com promotor próprio e com “operação comercial e logística de um parceiro muito conceituado”.

Tatiana Zaccaro disse que a expectativa é que a visitação do público fique em torno de 600 mil pessoas durante os dez dias do evento. “Mas acaba sempre passando”, estimou. Na 18ª edição, em 2017, foram registrados 640 mil visitantes. Cada um deles deixou o evento com, pelo menos, seis livros. Este ano, 5,5 milhões de exemplares estarão disponíveis para venda.

Segundo os organizadores, a Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro é um dos quatro maiores eventos da capital fluminense. Os outros são o réveillon, o carnaval e o Rock in Rio.

O festival literário funcionará de 30 de agosto a 8 de setembro, no horário de 9h às 21h, nos dias de semana; de 9h às 22h, na sexta-feira; e de 10h às 22h, nos finais de semana. Os bilhetes têm valor de R$ 30, inteira, e R$ 15, meia entrada.Fonte Agência Brasil

Governo do Estado do Maranhão e Cemar firmam parceria para ampliar cadastro de beneficiários do Tarifa Social

Nesta quinta-feira (15), o Governo do Maranhão e a Companhia Energética do Maranhão (Cemar) assinaram o Termo de Cooperação Técnica do Programa Tarifa Social. O acordo vai permitir que novos beneficiários sejam incluídos e outros sejam renovados no programa de descontos para famílias de baixa renda, indígenas e quilombolas.


Governo e Cemar firmam parceria para ampliar cadastro de beneficiários do Tarifa Social (Foto: Nael Reis)

“É um termo que vai ampliar o número de beneficiários do Tarifa Social, atendendo famílias de baixa renda e comunidades indígenas e quilombolas com redução de 65% e até 100% de suas tarifas de energia elétrica, permitindo que essas pessoas usem o dinheiro economizado para aquisição de alimentos e outros produtos”, disse o vice-governador Carlos Brandão.

O acordo vai promover a atualização de cadastros e novas inscrições por meio da inclusão no Cadastro Único (CadÚnico). O que garante também que os beneficiários não percam outros programas de complementação de renda, como o Bolsa Escola, Bolsa Família, Água para Todos, Benefício de Prestação Continuada (BPC), dentre outros.

“Essa parceria serve principalmente para fazermos a busca ativa, nós temos hoje 600 mil beneficiários e podemos passar de 1 milhão. Com esse trabalho, a Sedes, junto com os CRAS e os municípios, vamos atrás de quem tem esse potencial de ser beneficiado”, explicou Marcio Honaiser, secretário de Desenvolvimento Social (Sedes).

Dados da Sedes apontam que cerca de 150 mil famílias correm o risco de perder o benefício ainda em 2019 devido a desatualização cadastral. Além disso, existem atualmente 534 mil beneficiários que estão com cadastro inválido; 148 mil com cadastro desatualizado há mais de 2 anos; e 369 mil famílias encontram-se dentro da linha de consumo para benefício do programa.

O presidente da Cemar, Augusto Dantas, destacou a parceria entre a inciativa pública e privada.

“É uma ação importante para a Cemar, para o Governo e para a população do Maranhão em uma parceria que vem não só agora, com a busca ativa para a Tarifa Social de energia elétrica, mas também através de Lei de Incentivo ao Esporte e Incentivo à Cultura. São em torno de R$ 10 milhões injetados através dessas duas leis”, explicou Dantas.

Moradora da Vila Luizão, Vilma Barbosa Carvalho dos Santos é uma das beneficiárias do Tarifa Social e gostou do acordo que vai levar o programa a mais pessoas. “É um programa bom para todos nós, principalmente para nós que não ganhamos um salário mínimo e sobra mais dinheiro para comprar algo para os nossos filhos, material escolar, eu vejo como uma boa oportunidade”, disse.

Tarifa Social 

Têm direito aos descontos da tarifa social de até 65% os beneficiários de baixa renda que estejam inscritos no CadÚnico, com renda familiar mensal per capita menor ou igual a meio salário mínimo nacional; ou beneficiários do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social – BPC. Os descontos de até 100% são para famílias indígenas ou quilombolas, por faixa de consumo.

A atualização e a inclusão no CadÚnico podem ser feitas no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), ou na Secretaria Municipal de Assistência Social. Após a regularização do cadastro, o beneficiário pode solicitar a participação no programa nas agências de atendimento da Cemar.

Ascom

Santana empata com o Parma na abertura do Campeonato Codoense

Teve início neste sábado (17), o Campeonato Codoense de Futebol 2019, competição promovida pela Liga Codoense de Futebol (LICOF) com apoio da Prefeitura Municipal de Codó.

No jogo de abertura da competição, valido pelo Grupo A, as equipes do Santana e Parma ficaram no empate de 1×1. Os dois gols da partida foram marcados no segundo tempo, Wesley aos sete minutos marcou para o Santana e Isael empatou aos 37 para a equipe do Parma.

Na segunda rodada do Grupo A, o Parma enfrenta a equipe do Nacional no dia 02 de setembro e o Santana joga diante do Cruzeiro no dia 05 de setembro. As duas partidas acontecem no Estádio Renê Bayma.

A primeira rodada do Grupo A será encerrada na quinta-feira (22), com o Cruzeiro enfrentando a equipe do Nacional.

A abertura do Grupo B acontece no dia 26, com o duelo entre Penharol x Sport JR, e dia 29 a rodada será complementada com a partida entre os times do São Vicente e Fabril.

O Campeonato Codoense 2019 conta com a participação das equipes do Parma, Santana, Cruzeiro, Nacional, Penharol, Sport JR, Nacional e Fabril.

Solenidade de abertura

Antes da bola rolar no estádio Renê Bayma, aconteceu a solenidade de abertura. O evento contou com a presença do prefeito de Codó, Francisco Nagib, do presidente da LICOF, professor Einstein Lima Neres, do superintendente de esportes do Município, Júnior Goiabeira, do secretário João dos plásticos e do vereador Chaguinha da Câmara.

Premiação

A equipe vencedora receberá uma premiação de R$ 10 mil, enquanto a segunda colocada será premiada com R$ 5 mil. Além da premiação em dinheiro, as equipes receberam troféu e medalhas.

Tabela de Jogos 1º Fase

17/08 Parma 1×1 Santana

22/08 Cruzeiro x Nacional

26/08 Penharol x Sport JR

29/08 São Vicente x Fabril

02/09 Nacional x Parma

05/09 Santana x Cruzeiro

12/09 Sport JR x São Vicente

16/09 Nacional x Santana

19/09 Cruzeiro x Parma

23/09 Fabril x Sport JR

26/09 São Vicente x Penharol

ASCOM/LICOF

Secretário Ricardo Torres agradece e enaltece III Feira Literária de CODÓ

Pela participação na III Feira Literária de Codó, nosso Muito Obrigado!

A Juventude codoenses está muito viva e ansiosa para crescer e ganhar mais espaço.
A III Feira Literária de Codó provou isso.
A FLIC deixa um significado que nenhuma palavra pode adequadamente traduzir.

As experiências várias que se sucederam nesses 4 dias de ebulição cultural impactaram a todos os presentes de formas variadas e singularmente especial.

Aos professores e organizadores da FLIC, afirmo que um presente foi dado aos jovens de espírito: CULTURA AMPLA GERAL E IRRESTRITA.

Doravante, nenhuma outra feira literária será estranha aos nossos jovens, pois o essencial de um grande evento das letras esteve presente e à disposição de todos os que participaram, tudo carinhosa e didaticamente apresentado.
Resta-nos, em nome da Secretaria de Estado, AGRADECER.

Somos gratos a Deus que permitiu que tudo ocorresse com tranqüilidade e paz.
Gratos a todos que colaboraram, cada qual em sua esfera de competência, principalmente aos companheiros das Secretarias de Governo, Saúde, Ação Social, Desenvolvimento Urbano e Rural e Gabinete do Prefeito, Polícia Militar, entre outros.

Gratos pela qualificada participação e engajamento das Universidades, Faculdades, Escolas Públicas e Particulares, Organizações Não Governamentais – ONG’s, Escritores de Prosa e de Verso, Artistas e Voluntários.
Gratos aos profissionais e empresas de Comunicação, pela ampla divulgação, também promovida na redes sociais pelos frequentadores e participantes.

Gratos aos sacerdotes e paroquianos da Igreja de São Sebastião, pela compreensão e paciência.
Gratos muito especialmente aos estudantes pela adesão e esforço na produção e apresentação de conteúdos culturais que elevaram o conceito da Feira Literária para nossos visitantes.
Gratos aos nossos Visitantes, claro, pela atenção devotada em cada estande.

Finalmente, justiça seja feita:
O Professor Carlos Gomes, nosso Homenageado, dignificou sua escolha com magistral participação em momentos memoráveis.

O Prefeito Francisco Nagib foi decisivo para o inegável êxito da FLIC, desde sua primeira edição. Trata-se de político que compreendeu a importância do evento e reagiu de acordo.
A Equipe Organizadora do evento, essa foi GIGANTE, DESTEMIDA e COMPETENTE.
No entanto, Tudo Pode Ser Melhorado! Tudo Mesmo!

Assim, se Deus permitir, nos vemos novamente na IV FLIC em 2020, no compromisso de todos nós fazermos um evento ainda melhor porque nossa Cidade merece sempre o melhor.

Parabéns à educação codoense pelo inegável SUCESSO da III Feira Literária de Codó!

Ricardo Torres
Secretário Municipal de Educação
Vice-Prefeito

Polícia apreende 100 quilos de maconha na Rodovia Presidente Dutra

A Polícia Civil apreendeu hoje (15) 100 quilos de maconha escondido em um veículo. O automóvel estava na Rodovia Presidente Dutra, no município de Piraí (RJ). Giovane Cubilla, que dirigia o carro, foi preso pelos crimes de tráfico de drogas interestadual, associação ao tráfico e receptação qualificada.

A droga estava embalada em 100 tabletes, escondidos em diversos fundos falsos do veículo. A maconha estava no interior dos bancos, nos forros das portas, no porta-malas e em outros compartimentos.

A investigação apontou que o veículo que Cubilla usava era clonado e foi roubado no bairro da Vargem Pequena, zona oeste do Rio. O preso alegou que estava fazendo o transporte das drogas de Foz do Iguaçu (PR) até a Barra da Tijuca, e que receberia R$ 3 mil pelo crime. A ação teve apoio da Polícia Rodoviária Federal.

Giovane Cubilla já tinha sido preso, no Rio, em 2010, com um comparsa, transportando de carro, tabletes de cocaína. Na ocasião, o carregamento da droga também veio do Paraná e tinha como destino os morros da Fallet e Fogueteiro, no Rio Comprido, no centro do Rio. Giovane foi condenado pela Justiça e cumpriu pena de 4 anos e 2 meses de prisão.Fonte Agência Brasil