Blog do Walison - Em Tempo Real

Inscrições para o ProUni começam dia 6 de fevereiro

As inscrições para o Programa Universidade para Todos (ProUni) do primeiro semestre de 2018 estarão abertas do dia 6 a 9 de fevereiro. A inscrição é feita exclusivamente pela internet, no site do ProUni.

O resultado da primeira chamada será divulgado no dia 14 de fevereiro e o da segunda no dia 2 de março. O ProUni seleciona estudantes para receber bolsas de estudo integrais e parciais em instituições particulares de ensino superior com base na nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Pode participar do programa o candidato que não tenha diploma de curso superior e tenha feito a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2017 e obtido no mínimo 450 pontos na média das notas do Exame. Outra condição é ter obtido nota na redação que não seja zero.

É preciso ainda que atenda a pelo menos uma das condições: ter cursado ensino médio completo em escola pública; ter cursado ensino médio na rede privada com bolsa integral; ter cursado ensino médio parcialmente da rede pública e privada, nesse caso como bolsista integral; ser pessoa com deficiência; ser professor da rede pública no efetivo exercício do magistério da educação básica.

Poderá concorrer a uma bolsa integral quem tem renda familiar bruta mensal per capta de até um salário mínimo e meio. Pode se inscrever para as bolsas parciais quem tem a renda familiar bruta mensal per capta de até três salários míninos.

Fonte: Da Agência Brasil

Deputado Wellington cobra infraestrutura para bairros de Paço do Lumiar

Deputado Wellington cobra  infraestrutura para bairros de Paço do Lumiar

Já na manhã desta segunda-feira (15), o deputado estadual Wellington do Curso (PP) apresentou, na Assembleia Legislativa, proposições em que solicita mais infraestrutura para bairros de Paço do Lumiar. As solicitações foram captadas por meio do projeto “Ouvindo o Maranhão”, através do qual Wellington passou a tarde do último domingo (14) em reunião com moradores de diversos bairros, ouvindo as demandas e reivindicações.

Na ocasião, Wellington cobrou ainda que a parceria tão anunciada por Governo e Prefeitura saíssem do papel e se transformassem em realidade.

“Aceitando o convite dos moradores do Residencial Carlos Augusto, passei a tarde  ouvindo a população de Paço do Lumiar. Na ocasião, ouvi o Sr. Francisco, de 83 anos, e outros moradores. Embora ontem tenha sido o aniversário de Paço do Lumiar, quem conhece a realidade do município não tem muito o que comemorar. Entre as demandas da população, há a falta de infraestrutura das ruas (buracos em todas as vias); falta de iluminação pública e saneamento básico tanto na comunidade Carlos Augusto quanto nos residenciais Maria Firmina, São José, Vila do Povo, Araguaia e Canaã. Governador Flávio Dino, lembre-se que na época das eleições Vossa Excelência prometeu uma parceria com a Prefeitura . A população aguarda o cumprimento dessa promessa!”, disse Wellington.

Já para execução em 2018, o deputado Wellington destinou parte de suas emendas parlamentares para garantir a infraestrutura de Paço do Lumiar. Cabe, agora, ao Governador Flávio Dino a liberação dos recursos.

CONFIRA OS NOMES DE QUEM DEIXARÁ O GOVERNO FLÁVIO DINO ATÉ O MÊS DE ABRIL PARA SAIR CANDIDATO NAS ELEIÇÕES 2018

Após um curto recesso, o governador Flávio Dino está de volta ao comando do estado e já terá de pensar na continuidade de seu governo nos seis meses que antecedem as eleições de 2018.
Não é estranheza que secretários de estado e presidentes de órgãos estaduais demonstrem interesse em concorrer ao pleito. Os interessados deverão se afastar dos cargos até o mês de abril, o que poderá causar certa dor de cabeça ao governador Dino. De acordo com levantamento feito pelo jornal O Imparcial, 24% dos atuais secretários deverão concorrer este ano. Além deles, pelo menos outros três gestores também já comunicaram a Flávio Dino sobre suas ambições políticas.
Nos corredores do Palácio dos Leões, os nomes de sete secretários já são dados como certos nas eleições de outubro. Inclusive, os gestores já até comunicaram esse desejo ao governador que, até agora, não definiu os respectivos substitutos.
No fim do ano passado, Dino, inclusive, se reuniu com jornalistas em entrevista coletiva e garantiu que as mudanças em seu secretariado aconteceriam somente após o carnaval, na segunda quinzena de fevereiro. Tanto que o governador adota cautela para escolher os novos secretários.

A lista dos “secretários pré-candidatos” é encabeçada por Márcio Jerry, secretário de Comunicação e Articulação Política (Secap). O próprio Jerry, em conversa com a reportagem de O Imparcial, deixou claro que as definições sobre aqueles que irão assumir as pastas estão estagnadas neste momento. O gestor responsável pela Secap confirmou que as mudanças ocorrerão somente no mês que vem.

Márcio Jerry, inclusive, será candidato a deputado federal. Do secretariado atual, outros dois gestores dão como certa a participação do pleito para a Câmara Federal. São eles: Simplício Araújo (Indústria, Comércio e Energia – Seinc) e Julião Amin (Trabalho e Economia Solidária – Setres). Amin, inclusive, foi eleito deputado federal na eleição passada e tentará continuar com sua vaga em Brasília.

Assembleia Legislativa

Para a disputa por um lugar na Assembleia Legislativa, pelo menos quatro secretários do governo do estado vão tentar a sorte nas urnas em outubro. Deputado estadual licenciado e titular da Secretaria do Desenvolvimento Social (Sedes), Neto Evangelista buscará sua reeleição.
Quem também vai estar na disputa para voltar à Assembleia é o ex-deputado estadual Marcelo Tavares, que já foi, inclusive, presidente da Casa. Experiente, o chefe da Casa Civil do governo tem boas chances de ser eleito e, nos bastidores, comenta-se que sua intenção é ser eleito novamente presidente do parlamento estadual. Essa possibilidade seria vista com bons olhos pelo Palácio dos Leões.
Outros dois secretários estaduais que vão tentar ocupar uma das 42 cadeiras da Assembleia Legislativa pela primeira vez são Márcio Honaiser (Agricultura, Pecuária e Pesca – Sagrima) e Adelmo Soares (Agricultura Familiar – SAF). Este último, em maio do ano passado, foi pivô de um mal-estar com os atuais deputados estaduais. O titular da SAF chegou a dar explicações no plenário da Casa sobre uma suposta utilização do cargo para se beneficiar nas eleições em 2018.

Na disputa

Além dos sete secretários estaduais que já comunicaram que irão concorrer nas eleições deste ano, o governador Flávio Dino já sabe que deverá se preocupar com a substituição de gestores em pelo menos três órgãos estaduais: Agência Metropolitana (Agem), Comissão Central de Licitação (CCL) e o Procon.

Os presidentes destes três órgãos serão candidatos em 2018. Presidente da Agem, o vereador licenciado Pedro Lucas Fernandes sinalizou que estará na briga pela Câmara Federal, substituindo o próprio pai, deputado Pedro Fernandes. Em entrevista a O Imparcial, no fim de 2017, Pedro Lucas afirmou estar pronto para se tornar deputado federal. “A experiência no parlamento municipal exercida nos últimos anos me faz sentir preparado. Por isso, coloco meu nome à disposição do povo maranhense no pleito eleitoral de 2018”, disse à época.
O presidente do Procon, Duarte Júnior, também estará na eleição, só que concorrerá a deputado estadual. Considerado um dos gestores mais midiáticos do governo Flávio Dino, Duarte Júnior tem se destacado com sua atuação pelo estado ao inaugurar várias unidades fixas do Viva/Procon e por levar os serviços do órgão para localidades de menor IDH. Prova disso é que o trabalho de Duarte à frente do órgão é alvo de elogios por parte do governador.
Haverá, ainda, um terceiro presidente de órgão estadual que já manifestou interesse em participar do pleito para deputado. Trata-se de Odair José Santos, presidente da CCL.

Diminuição de secretários

Em julho do ano passado, especulava-se um número maior de secretários que seriam candidatos. No entanto, alguns nomes não vingaram. Exemplo claro é o do secretário de Segurança Pública (SSP), Jefferson Portela, que desistiu de disputar o pleito no fim do ano passado. Outro secretário que estaria certamente na eleição seria o ex-titular da Secretaria de Esporte e Lazer (Sedel), Márcio Jardim. Jardim saiu do governo bem antes e, agora, tenta viabilizar uma candidatura do PT para o Senado.

Fonte: O Imparcial

Maranhão vacina 98,03% do gado na segunda etapa de vacinação contra febre aftosa

A segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa no Maranhão aconteceu de forma diferenciada este ano, vacinando apenas o rebanho bovino e bubalino de 0 a 2 anos. De 1º de novembro a 12 de dezembro, foram imunizados 98,03% de todo o rebanho bovino e bubalino nesta faixa etária no Maranhão.

A porcentagem alcançada representa a vacinação de 2.694.489 bovinos e bubalinos com idade de 0 a 2 anos em 92.214 propriedades em todo o estado. Além disso, o Maranhão conseguiu pelo terceiro ano consecutivo, manter os resultados acima de 98%. Antes de 2015, a cobertura máxima alcançada havia sido de 97% em 2011.

“Estes resultados revelam que o produtor maranhense está consciente da necessidade de proteger o seu rebanho, além de demonstrar o empreendedorismo no setor produtivo e o árduo trabalho que estamos desenvolvendo ao longo destes três anos de gestão. Nós agradecemos a todos os criadores do Maranhão e a toda a equipe da AGED que se empenhou para que alcançássemos esse resultado de 98,03% nesta segunda etapa de vacinação, mantendo pelo terceiro ano consecutivo elevados índices de cobertura vacinal”, ressaltou o presidente da AGED, Sebastião Anchieta.

A mudança no regime de vacinação ocorreu devido a uma solicitação da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED) ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que alterou no começo do ano passado o regime de vacinação contra febre aftosa no estado e nos outro oito que compõem a região Nordeste, que caminham para o estado livre de aftosa sem vacinação.

O secretário estadual de Agricultura, Pecuária e Pesca, Márcio Honaiser, destacou que “ao longo dos três anos da gestão do governador Flávio Dino, temos mantido índices bem-sucedidos de vacinação, garantindo a sanidade e competitividade do gado maranhense. Além disso, medidas como revisões tributárias e o trabalho no Mais Produção na cadeia de carne e couro são incentivos importantes, assim como o concurso da AGED, que está de parabéns pelo índice”.

Unidades Regionais

Os grandes polos pecuaristas do estado, como Imperatriz e Açailândia, estão entre as Unidades Regionais da AGED/MA que mais vacinaram seu rebanho, com os índices vacinais de 99,57% e de 97,87%, respectivamente. Já as regionais de Viana, Chapadinha e São Luís são outros grandes destaques, com o alcance dos índices de vacinação de 100%, 99,97% e 99,77% dos animais da região.

Fonte: AGED
Texto: Jacii Martins

Papa Francisco embarca para viagem ao Chile e ao Peru

O papa Francisco embarcou nesta segunda-feira (15) para uma viagem ao Chile e ao Peru. Ele fica no Chile até o próximo dia 18, quando segue para o Peru, em uma visita marcada pela defesa das populações indígenas. O papa levará uma mensagem de proteção ao meio ambiente.

O Boeing 777 da companhia Alitalia decolou do aeroporto romano de Fiumicino às 8h55 (horário local, 5h55 em Brasília) e deve aterrissar no aeroporto Internacional de Santiago às 20h10 (21h10 em Brasília).

Nos voos internos e para seu retorno a Roma, Francisco voará com a companhia Latam.

O pontífice viaja acompanhado por uma delegação do Vaticano, composta, entre outros, pelo secretário de Estado, o cardeal Pietro Parolin; o presidente da Pontífice Comissão para a América Latina, Marc Ouellet, além de 70 pessoas entre jornalistas, fotógrafos e câmeras de televisão.Fonte Agência Brasil

Mulher é presa com quase 3 quilos de maconha

A Polícia Civil do Maranhao -Delegacia Regional de Itapecuru Mirim, em operação, com apoio da Polícia Militar,  prendeu em flagrante delito pelo crime de trafico de drogas e posse irregular de arma de fogo LINDONALVA DA CONCEIÇÃO ROCHA .

Lindonaval (foto da PC)

Iniciada investigação as Equipes chegaram ao Povoado Extremo, município de Presidente Juscelino, local da prisao. Seu marido também era alvo e vamos representar por sua prisão.

A droga foi localizada na busca, num  total de 2 tabletes de maconha de aproximadamente 2.8 kg e 103 embalagens individualizadas contendo a mesma droga,  2 armas de fogo, a quantia de 1.145 reais e uma moto Bross com chassi adulterado, dentre outras provas e evidências da prática de crimes.

FONTE – ASCOM Delegacia

Mulher mata vizinha a facadas por causa de vaga de emprego em SP

Érica foi morta a facadas pela vizinha em Santos, SP. (Foto: Arquivo Pessoal)

Uma jovem de 24 anos foi morta a facadas pela vizinha, na noite deste sábado (13), em Santos, no litoral de São Paulo. Segundo informações de familiares, a autora do crime queria a vaga de emprego da vítima, Érica Oliveira da Silva, e há dias elas discutiam sobre o assunto. Além da jovem, a suspeita feriu outras duas irmãs da vítima. Até o momento, ninguém foi preso.

Érica era assistente administrativa em uma empresa de concreto localizada no bairro Monte Cabrão, onde mora. Segundo a irmã da vítima, Rafaela Oliveira da Silva, há dias ela e a vizinha, identificada pela Polícia Civil como Angélica da Cruz, discutiam sobre o emprego da irmã. “Ela estava desempregada e queria a vaga da minha irmã. Sempre que a Érica passava, elas se provocavam. Isso acontecia todos os dias”, explica.

Érica e a irmã Débora em Santos, SP. (Foto: Arquivo Pessoal)

Por volta das 20h deste sábado, Érica, Rafaela e mais duas irmãs voltavam para casa quando Angélica as viu na rua e começou a provocar a vítima. “Eu não lembro o que foi que ela disse, mas sei que ela gritou algo e minha irmã começou a retrucar. Elas começaram um bate-boca e o pai, o irmão e o marido da agressora saíram para ajudar.”

Segundo Rafaela, durante a discussão, o pai de Angélica segurou Érica para que ela ficasse imóvel enquanto a filha esfaqueava a vítima. A faca foi entregue à suspeita pelo próprio marido que, segundo testemunhas, também teve participação no crime. Rafaela foi a única das quatro irmãs que não teve ferimentos e, imediatamente, solicitou o socorro. “A ambulância demorou muito, decidimos não esperar e meus pais levaram elas para o Pronto Socorro de carro”, relembra.

Érica deu entrada no Pronto Atendimento Médico (PAM) da Rodoviária já sem vida. Débora Oliveira da Silva, de 32 anos, e Daniele Alves de Oliveira, de 27, foram transferidas para o Hospital Santo Amaro em estado grave. Daniele passou por procedimento cirúrgico e se encontra na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com ferimentos no pulmão e intestino. Débora está em observação.

Segundo a polícia, logo após a briga, Angélica fugiu do local e não foi mais vista. Os familiares da suspeita foram até a Delegacia Sede de Santos prestar depoimento sobre o caso e, em seguida, foram liberados. “O que queremos, agora, é justiça para todos eles, todos devem pagar. Ela não conseguiria matar a minha irmã e machucar as outras duas sozinha”, desabafa Rafaela. A Polícia Civil realiza diligências neste domingo (14) para tentar localizar Angélica.

Fonte G1

Fundo recebe até o dia 31 inscrições de projetos para promover direitos LGBT

Até o dia 31 de janeiro, o Fundo Social Elas receberá projetos que promovam a cidadania de mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais. Serão selecionados dez projetos, que receberão R$ 30 mil cada, para execução em 10 meses, orientados pela organização não governamental, que apoia os direitos das mulheres.

Segundo a coordenadora executiva do Fundo Elas, K. K. Verdade, são esperados projetos que proponham diálogo entre diferentes grupos sociais. “Nós recebemos muitos pedidos para promover encontros intergeracionais, por exemplo. As feministas mais antigas querem dialogar com as mais jovens e vice-versa”, disse. Outro objetivo é fortalecer iniciativas que ajudem a promover direitos e a cobrar ações do Poder Público.

“Sabemos de casos concretos de violência contra LGBT por parte de grupos que não têm como pressionar o Poder Público, então, esperamos apoiar projetos que atuem na comunicação com a sociedade e na cobrança às autoridades”, completou a coordenadora. A organização prevê editais semelhantes nos dois próximos anos.

 

Rio de Janeiro - A 22 edição da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays , Bissexuais, Travestis, Transexuais e Transgêneros) leva milhares de pessoas à Praia de Copacabana (Tânia Rêgo/Agência Brasil)
O Fundo Social Elas irá financiar projetos que promovam direitos de mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais.  Tânia Rêgo/Agência Brasil

Para se inscrever, os coletivos responsáveis pelos projetos não precisam ter CNPJ. Basta preencher o formulário comprovando condições de realizar as atividades. Com isso, o fundo pretende apoia meninas e jovens trans que querem organizar iniciativas como atos públicos, debates e ações locais, fora de grandes centros. O edital do Fundo Elas para LBT está disponível na página www.fundosocialelas.org/lbt.

De acordo com K. K. Verdade, a iniciativa é uma forma de enfrentar a violência contra mulheres lésbicas, bissexuais e transexuais nas redes sociais e na vida real. Em 2017, segundo levantamento do fundo, os ataques à comunidade LGBT cresceram. Conforme a organização não governamental, os atos tendem a ser mais violentos quando a orientação sexual e identidade de gênero se cruzam com raça e classe. Mulheres trans negras e pobres, por exemplo, tem mais risco de sofrer agressão.

“Queremos fortalecer a cidadania LGBT e a resistência contra retrocessos de direitos no Brasil. Nossa estratégia e apostar no protagonismo”, acrescentou a coordenadora.

Ainda este mês, o Fundo Elas desenvolve a campanha #TeiaPorDireitosLGBT, que visa a construir uma rede de apoiadores para ajudar a arrecadar fundos que completarão novos financiamentos.

“No Brasil, temos a cultura de ajudar as pessoas quando acontece um desastre, a gente faz uma doação direta, compra uma cesta básica, mas é muito tímido o investimento em direitos”, lembrou K.K Verdade. “A população LGBT sofre de falta de direitos e de desrespeito, então, essa luta leva um tempo. Um esforço da sociedade de investir aqui é preciso”. Fonte Agência Brasil.

Saiba como se pega o vírus da Hepatite A, quais são os sintomas e tratamentos

Vírus da Hepatite A
Vírus da Hepatite A Divulgação/Ministério da Saúde

Neste verão, além da habitual preocupação com doenças como a dengue, a população do Rio de Janeiro foi surpreendida com um grande número de pessoas infectadas com o vírus da Hepatite A. Um surto, com concentração especial na comunidade do Vidigal, já registrou 92 casos notificados e 75 confirmados. Ao longo de 2017, em toda a capital, foram registrados 119 casos.

A hepatite é uma inflamação aguda no fígado, que pode ser causada por vírus, bactérias ou agentes tóxicos, como o álcool. Existem cinco tipos identificados de hepatite virais. De acordo com o infectologista Edimilson Migowski, presidente do Instituto Vital Brazil e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), do ponto de vista clínico, não há muita diferença entre as hepatites A, B e C.

“São vários vírus que podem atacar o fígado de forma primária”, explicou à Agência Brasil. Dentre as infecções virais, o que chama atenção na hepatite A é o fato de não evoluir para uma doença crônica, como ocorre com as hepatites B e C.

Apesar disso, ele advertiu que, ainda que tenha uma evolução muito melhor do que as hepatites B e C, o tipo A acaba sendo o principal vilão porque pode causar uma inflamação fulminante ou falência aguda do fígado. Migowski afirmou que a doença, eventualmente, pode evoluir para casos em que há comprometimento do fígado e o paciente pode precisar de um transplante.

O agravamento do quadro pode ocorrer, principalmente, em pacientes idosos ou com alguma doença crônica. De acordo com a Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, estima-se que apenas 1% dos casos representa risco de morte, quando evolui para hepatite fulminante.

Sintomas e diagnóstico

Os sintomas iniciais mais comuns da hepatite A são mal estar, dores no corpo, náuseas, dor abdominal, vômitos, olhos e pele amarelados, urina bem escura e fezes claras. Eventualmente, quando o quadro é muito grave, pode causar insuficiência hepática, sangramento e morte, indicou o infectologista.

Segundo o presidente do Instituto Vital Brazil, a hepatite A tem uma evolução em duas fases: primeiro o paciente apresenta um quadro agudo, que dura entre uma e duas semanas. Em seguida, há melhora e depois, uma recaída. A evolução dura de dois a três meses.

Em crianças, em geral, o quadro passa sem sinais e sintomas característicos da doença. “Passam como se fosse uma gripe, mal estar, diarreia, um quadro mais brando”, diz o infectologista.

Somente a partir de exames de sangue é possível confirmar qual tipo de vírus está envolvido naquele quadro infeccioso.

Contaminação

O período de incubação do vírus é de 15 a 50 dias. Ou seja, depois que a pessoa “engoliu” um vírus da hepatite A, por meio de água ou alimento contaminados, ela deverá manifestar a doença de 15 a 50 dias depois.

“A contaminação se dá, basicamente, com água ou alimento contaminado com esgoto. Também pode ser uma transmissão entre pessoas. Às vezes, em uma criança que está contaminada e não tem sinais da hepatite, o vírus contamina as fezes e aí o adulto ao manipular ou fazer higiene dessa criança pode se contaminar ou espalhar esse vírus para aquela população”, explicou Migowski.

Falhas na segurança alimentar ou de água podem ser responsáveis por surtos de hepatite A, como parece ter ocorrido no caso recente da comunidade do Vidigal, em São Conrado, zona sul da capital fluminense. A Vigilância Sanitária apreendeu 169 galões de 20 litros de água contaminados em um bar e um depósito de bebidas do local.

Tratamento

Não existe um tratamento específico para a hepatite A. “Não existe um antiviral que você possa tomar, como tem para gripe e para herpes, por exemplo. Não existe nenhum medicamento que tenha sido comprovado eficaz como antiviral no caso da hepatite A, como tem para hepatite B e C”, destacou Migowski.

Por essa razão, o tratamento é de suporte ao paciente. Ou seja, envolve o uso de analgésicos e remédios para controle de náuseas e vômitos.

Prevenção

A infectologista Karla Ronchini, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia, alerta que a melhor estratégia de prevenção é a higiene, além de saneamento básico. “Basta uma pessoa transmitir que, quem está ao redor, tem muita chance de pegar, principalmente pelo tipo de transmissão, pela falta de cuidados com a higiene, porque ele [o vírus] circula”, explicou.

Por isso é importante, entre outras medidas, lavar as mãos após ir ao banheiro ou trocar fraldas de crianças, e antes de comer ou preparar alimentos. Outra recomendação é cozinhar bem os alimentos antes de consumi-los; lavar bem, com água tratada, clorada ou fervida, os alimentos que são consumidos crus, deixando-os de molho por 30 minutos. Também é necessário lavar adequadamente pratos, copos, talheres e mamadeiras e não tomar banho ou brincar perto de valões, riachos, chafarizes, enchentes ou onde haja esgoto a céu aberto.

Caso haja algum doente com hepatite A na residência, deve-se utilizar hipoclorito de sódio a 2,5% ou água sanitária ao lavar o banheiro. Como a transmissão da hepatite A tem uma relação fecal-oral, Karla explica que fazer sexo oral desprotegido também é um fator de risco.

Vacinação

Existe vacina para a hepatite A, disponível gratuitamente na rede pública de saúde para crianças entre 1 e 2 anos de idade. “É uma vacina segura, eficaz, e pode ser tomada por qualquer pessoa com mais de um 1 ano de idade mas, infelizmente, na rede pública, isso só acontece com crianças”, explicou Migowski.

Segundo o presidente do Vital Brazil, a vacina não é cara, mas ele observou que neste momento não há um laboratório que consiga produzir e entregar para o país uma quantidade muito grande do insumo. “Existe certa dificuldade na obtenção do produto”, disse.

Na rede privada, é possível encontrar a vacina contra hepatite A inclusive para adultos. “Tem uma vacina combinada de hepatite A e B, o que otimiza o esquema de imunização”, apontou.

Contaminação na infância

O infectologista destacou que, no Rio de Janeiro, alguns programas de saneamento do governo estadual em comunidades, como o Favela Bairro, tiveram um efeito positivo para o controle da doença, com ações como a cobertura de valas e coleta de lixo.

A partir dessas intervenções, no entanto, o perfil de infecção é alterado, passando a ser mais comum em adultos. “Antigamente, as crianças infectavam-se muito cedo e, quando chegavam à idade adulta, não se infectavam mais. Só tinham uma vez a hepatite A”, diz.

De acordo com Edimilson Migowski, percebe-se mais os surtos e a circulação da hepatite A hoje do que há 40 anos ou 50 anos, quando a doença acometia principalmente crianças. Agora, tendo em vista que as crianças vêm sendo vacinadas e houve melhora no saneamento básico, muitos moradores que nasceram após as intervenções do Favela Bairro, já em comunidades com melhores condições de saneamento, não se contaminaram na infância. Com isso, aponta Migowski, o quantitativo de adultos vulneráveis é maior.

Há 30 anos, segundo o infectologista, podia-se dizer que 100% dos brasileiros já teriam tido hepatite A. A realidade hoje pode variar de região para região, mas estima-se que, no Rio de Janeiro, entre 20% a 30% da população até 35 a 40 anos já tiveram hepatite A quando crianças.

“Isso significa que existe um quantitativo grande de adultos vulneráveis. E, no adulto, a hepatite A tende a ter maior gravidade e maior riqueza de sinais e sintomas”, explicou Fonte Agência Brasil